terça-feira, 31 de outubro de 2017

Divino!



"Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os “is” em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.
Morre lentamente, quem abandona um projeto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um feito muito maior que o simples fato de respirar. Somente a ardente paciência fará com que conquistemos uma esplêndida felicidade."

19 comentários:

  1. Beleza de texto.Adoro nossa Martha!! Faz bem ler coisas dela,adoro! Lindo feriadão pra ti e eu ,de volta, chegamos ontem à noite, aqui me acostumando com a diferença horrível de lá para essa bruta selva! HAJA!rs bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Lena,
    Um texto repleto de sabedoria!
    Morre quem não vive nem deixa viver...
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  3. lindo texto, a rotina vai desgastando a vida...
    Boa semana. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Formidável esse texto pelo seu teor reflexivo!Bjos carihosos!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Lena, vim deixar minha marquinha e agradecer sua gentil visita. Bem lembrada esta postagem, é uma cutucada necessária para quem, vivo; morto parece, entrega-se ao ócio e tudo mais. Bela partilha, os textos da Marta são mesmo edificantes.
    Tenha um abenoçado dia!

    Bjss!

    ResponderExcluir
  6. oi Lena

    Não consegui deixar comentário no outro blog.
    Eu não tinha ideia dos seus problemas de saúde
    mas com certeza ser positiva é um grande passo para
    vc seguir em frente buscando seus tratamentso.
    Tudo de bom pra vc!!!
    obrigada pela visita lá no blog

    ana

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Visitando, encontrei um blogue muito simpático, mostrando imagens, poemas e prosas de elevado teor poético. Gostei muito

    Deixo cumprimentos de poesia

    ResponderExcluir
  8. Lindo texto, lindo blog.
    Que Deus te abençoe.
    Obrigada pela visita no Gente miúda.

    Beijinho

    ResponderExcluir
  9. Profundo esse texto. Triste ainda por conhecer alguém muito próximo a mim q está vivendo assim. Jovem e se fechando em mundo triste de isolamento. Choro na minha alma por não consegui ajudar. Lena meu filho mais velho fez 34 anos e vc já tem um de 49anos. Parabéns. Nossos filhos são a nossa vida né? E netos então. Bjs querida Amo vc e Deus ainda mais

    ResponderExcluir
  10. Muito bom o seu texto.
    Quando um dos cônjuges, coabitando há
    mais de 30 anos, bate no peito dizendo
    que é muito bem casado(a), eu, imediata-
    mente olho para o parceiro(a) que de ca-
    beça baixa concorda sem nada dizer.
    Todas as respostas estão no silêncio
    e na humildade dessa pessoa. Essa
    atitude é o que mantém a união por
    tanto tempo. Mas isso não quer dizer
    que ela(e) seja a raposa acoada, como
    também não seria os cães que a cercam,
    mas aposto todas as minhas fichas que
    ao seu lado, montando um puro sangue e
    com uma arma engatilhada na sua direção
    está seu parceiro(a).
    Existe exceção nessa regra? Você me per-
    gunta. Sim, claro que existe. Talvez
    seja você, no seu casamento ou seus pais
    ou avós, quem sabe?
    -Enquanto as pessoas se acomodarem no
    conforto de uma cama quentinha, limpa
    e cheirosa. Enquanto se conformarem
    com um prato de comida atirado em sua
    direção ou acatarem as ordens que lhe
    dão haverá ao seu lado alguém arrogan-
    te batendo no peito e falando que é mui-
    to, mas muito mais feliz casado do que
    era quando solteiro(a).

    Parabéns e obrigado pelo tempo que me
    deu.

    silvioafonso


    .

    ResponderExcluir
  11. Que palavras tão certeiras e reais, adorei passar por aqui e ler este lindo post, parabéns pela partilha.
    Uma excelente semana.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Esse é um dos melhores textos, muito verdadeiro.

    ResponderExcluir
  13. Quem sempre faz o mesmo percurso, perde a oportunidade de novos conhecimentos, inovar é preciso Lena, a rotina é algo cansativo e enfadonho!

    Bom dia!
    bjss!

    ResponderExcluir
  14. Boa noite, querida lena!
    Horrível a pessoa se acostumar a ser derrotada!
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  15. Hum, que cheirinho a alecrim e a palavras de Martha Medeiros.

    Como você está Lena? Sua saúde?

    A rotina e a acomodação fazem da pessoa uma marioneta. Evitemos e façamos a diferença, mudando.

    Beijinhos e boa semana.

    ResponderExcluir
  16. Lindo texto, as vezes faço isso inconscientemente. A força do hábito.
    Bjos tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  17. OI LENA!
    UM BELO E INSTIGANTE TEXTO.
    ÓTIMA ESCOLHA.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/







    OI LENA!

    ResponderExcluir
  18. uma vida de hábito ,talvez pareça chata mas há pessoas que gostam
    Abraço

    ResponderExcluir

Fico feliz que estejas aqui a comentar!