quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Abandono!


Pobre blogue abandonado....
Tenho pena das amigas que abandonam seus blogues tão bons,  que eu gostava de visitar, são tantas blogueiras que foram para outras redes, e sem dúvida não dá tempo de vir no blogue , aqui leva mais tempo e a vida é bem corrida ....mas gosto, embora confesso :perco  muito tempo no face.

Mas não deixo de visitar toda semana a
lista na lateral do meu blogue.
Blogues que gosto.
 As visitas no meu blogue diminuiu, e muito
todas que migraram não voltaram.
Mas vamos que vamos enquanto dá!

Dia de chuva lá no mato!
Abraços!

terça-feira, 23 de maio de 2017

Meme!

Vamos brincar com a Sissi 14 frases para completar.
Adorei!!!


1- Sou muito ....ansiosa, não sei esperar
2- Não suporto...falsidades e mentiras! 
3- Eu nunca ... viajei para a Itália, meu sonho.
4 -Já parti...corações na juventude.
5- Quando era criança..era feliz e livre como um pássaro.
6- Nesse momento...Aprecio a calmaria.
7- Tenho muito medo... de envelhecer sem saúde.
8- Gosto muito de ...coisas da natureza. 
9- Se pudesse...ia morar na praia , onde nunca fizesse frio
10 Fico feliz quando ...está tudo bem com a família.
11 Se pudesse voltar atrás...não deixaria meu filho  viajar para S.Paulo , onde perdeu a vida!
12 Adoro... cheiro de terra molhada, café, de colocar as mãos na terra, ver tudo florido.
13 Preciso ... cuidar mais de mim.
14 Quero...antes de partir gostaria de ver um mundo mais humanizado!

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Quem me dera!


Outra vida, quem me dera!
Quem me dera ter outra vida
Começar de novo, voltar no tempo
Só para encontrar-te, e amar-te!

Amar-te a mais não poder
Querer-te a mais não querer
Entregar-me a ti de corpo e alma
De corpo puro e de alma repleta
De alma repleta e completa
De teu amor e pelo teu amor

Ah! Quem me dera.
Quem dera a vida não fosse
- Como o é
Apenas uma quimera
Uma bela e doce quimera
Mas uma quimera!

Quem me dera...
Poder encontrar-te em outro tempo
Em um tempo nosso
Um tempo de amor, de calor, de fervor
Quem me dera!

Quem me dera...Pudesse eu voltar atrás
Mudar o tempo, trocar os dias, e encontrar-te!
Encontrar-te em meu tempo, ou em seu tempo
Mas encontrar-te!

Encontrar-te em um tempo de amor, de paixão
De paixão e de entrega total, corpo e alma, alma e corpo
Numa entrega que tornasse eterno o eterno amor que lhe tenho
Quem dera pudesse eu encontrar-te!

Quisera voltar no tempo, ser novamente um menino
E encontrar-te menina, menina dos olhos vivos, lindos
Menina deste menino, ser seu melhor amigo, seu melhor companheiro
E apaixonar-me novamente, loucamente
Colher flores, catar pedras, guardar trecos...Tudo para ti, só para ti
Quem me dera...Ah! Quem me dera.


quarta-feira, 15 de março de 2017

AMIZADE!


Estamos distante , mas ao mesmo tempo tão perto!
A força da nossa amizade vence todas as diferenças...
Aliás... para que diferenças se somos amigos?
Quando erramos... nos perdoamos e esquecemos
Se temos defeitos... não nos importamos...
Trocamos segredos... 
e respeitamos as divergências...
Nas horas incertas, sempre chegamos no momento certo...
Nos amparamos...nos defendemos...
sem pedir...
fazemos porque nos sentimos felizes em fazer...
Nos reverenciamos... adoramos... idolatramos... apreciamos... admiramos.
Nos mostramos amigos de verdade,
quando dizemos o que temos a dizer...
Nos aceitamos , sem querer mudanças...
Estamos sempre presente,
não só nos momentos de alegria,
compartilhando prazeres,
mas principalmente nos momentos mais difíceis...

Aos amigos que já partiram, aos que estão distantes,
 aos que nunca mais vi.
Saudades!
Aos amigos de convívio meu carinhoso abraço!




segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

SAUDADES FILHO!

Não há morte

( NOVE ANOS SE PASSARAM)
Todos os homens na terra são chamados a esse testemunho, o da temporária despedida. Considera, portanto, a imperiosa necessidade de pensar nessa injunção e deixa que a reflexão sobre a morte faça parte do teu programa de assuntos mentais, com que te armarás, desde já para o retorno, ou para enfrentar em paz a partida dos teus amores. . .
Quanto àqueles que viste partir, de quem sofres saudades infinitas e impreenchíveis vazios no sentimento, entrega-os a Deus, confiando-os e confiando-te ao Pai, na certeza de que, se souberes abrir a alma à esperança e a fé, conseguirás senti-los, ouvi-los, deles haurindo a confortadora energia com que te fortalecerás até o instante da união sem dor, sem sombra, sem separação pelos caminhos do tempo sem fim, no amanhã ditoso.
Autor: Joanna de Ângelis

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Viver bem!

A arte de viver bem!


Não exija dos outros o que eles não podem lhe dar, mas cobre de cada um a sua responsabilidade.
 Não deixe de usufruir o prazer, mas que não faça mal a ninguém. 
Não pegue mais do que você precisa, mas lute pelos seus direitos.
Não olhe as pessoas só com os seus olhos, mas olhe-se também com os olhos delas.
 Não fique ensinando sempre, você pode aprender muito mais.
 Não desanime perante o fracasso, supere-se o transformando em aprendizado.
Não se aproveite de quem se esforça tanto, ele pode estar fazendo o que você deixou de fazer.
 Não estrague um programa diferente com seu mau humor, descubra a alegria da novidade. 
Não deixe a vida se esvair pela torneira, pode faltar aos outros…
O amor pode absorver muitos sofrimentos, menos a falta de respeito a si mesmo!
 Se você quer o melhor das pessoas, dê o máximo de si, já que a vida lhe deu tanto. 
Enfim, agradeça sempre, pois a gratidão abre as portas do coração.


ABRAÇOS!

sábado, 30 de julho de 2016

Osho

"O rio passa ao lado de uma árvore, cumprimenta-a, alimenta-a, dá-lhe água... 
E vai em frente, dançando.
Ele não se prende à árvore. 
A árvore deixa cair suas flores sobre o rio em profunda gratidão, 
E o rio segue em frente.
 O vento chega, dança ao redor da árvore e segue em frente. 
E a árvore empresta o seu perfume ao vento... 

Se a humanidade crescesse, 
amadurecesse, essa seria a maneira de amar."

Abraços!

terça-feira, 21 de junho de 2016

Sem pressa!

Temos pressa. A comida é fast, o e-mail é urgente, o macarrão é instantâneo, a reunião é de emergência. Se o livro é chato, paramos de ler. Se o filme é ruim, mudamos. Se não gostamos da música, trocamos. Não aguentamos esperar ao telefone, nos irritamos quando não nos atendem imediatamente no restaurante, na loja, na fila do supermercado, na consulta médica. Porque a nossa fome é maior, a nossa saúde é mais importante, o nosso apuro é impreterível. Não suportamos atrasos, mesmo que — sem admitir — sempre estejamos atrasados.
Aqui






Há tanta falta de atenção de uns para com os outros nesses tempos de correria
em busca de dinheiro e coisas, que nos esquecemos de que estamos apenas 
de passagem pela vida. É bom  se sentir gente entre pessoas que, como nós mesmo, lutam, sofrem, trabalham e choram. Pessoas que amam,que sonham, que buscam um lugar ao sol, e que desejam ser,
simplesmete gente!


ABRAÇOS!

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Viagem!





Gente que vai
Gente que vem
...Sonhos da janela do trem
Crianças, mães, olhares anônimos
Viagem com destino certo
Sonhos sem destino
Entre passado e futuro
Amor bandido
Desabafo em lagrimas
Fogo da paixão
È hora!
No balanço do trem
Sonhos sem destino
Vidas separadas
Até o próximo
Balanço do trem!

Abraços!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Caminho de volta!


Até o ano passado eu ainda estava indo
Indo morar no apartamento mais alto do prédio mais alto do bairro mais nobre. Indo comprar o carro do ano, a bolsa de marca, a roupa da moda.
Claro que para isso, durante o caminho de ida, eu fazia hora extra, fazia serão, fazia dos fins de semana eternas segundas-feiras. Até que um dia, meu filho quase chamou a babá de mãe!
Mas, com quase quarenta, eu estava chegando lá. Onde mesmo? No que ninguém conseguiu responder, eu imaginei que quando chegasse lá ia ter uma placa com a palavra “fim”. Antes dela, avistei a placa de “retorno” e nela mesmo dei meia volta.
Comprei uma casa no campo (maneira chique de falar, mas ela é no meio do mato mesmo). É longe que só a gota serena. Longe do prédio mais alto, do bairro mais chique, do carro mais novo, da hora extra, da babá quase mãe
Agora tenho menos dinheiro e mais filho. Menos marca e mais tempo.
E não é que meus pais (que quando eu morava no bairro nobre me visitaram quatro vezes em quatro anos), agora vêm pra cá todo fim de semana? E meu filho anda de bicicleta, eu rego as plantas e meu marido descobriu que gosta de cozinhar (principalmente quando os ingredientes vêm da horta que ele mesmo plantou).
Por aqui, quando chove, a Internet não chega. Fico torcendo que chova, porque é quando meu filho, espontaneamente (por falta do que fazer mesmo) abre um livro e, pasmem, lê. E no que alguém diz “a internet voltou!” já é tarde demais porque o livro já está melhor que o Facebook, o Twitter  juntos.
Aqui se chama “aldeia” é tal qual uma aldeia indígena, vira e mexe eu faço a dança da chuva, o chá com a planta, a rede de cama. No São João, assamos milho na fogueira. Aos domingos, converso com os vizinhos. Nas segundas, vou trabalhar, contando as horas para voltar.
Aí eu me lembro da placa “retorno” e acho que nela deveria ter um subtítulo que diz assim: “retorno – última chance de você salvar sua vida!” Você provavelmente ainda está indo. Não é culpa sua. É culpa do comercial que disse: “Compre um e leve dois”. Nós, da banda de cá, esperamos sua visita. Porque sim, mais dia menos dia, você também vai querer fazer o caminho de volta!
(Téta Barbosa!

ABRAÇOS!